Sobre a febre das plásticas

Hoje nossa convidada é a mãe da Bibi e do Dandan, Camilla Falcão. Conheci Camilla em evento pelo blog e  passei a acompanhar sua redes sociais. Dona de um jeito único, ela escreve sobre diversos assuntos, nos propõe reflexões e também nos diverte muito com suas sacadas. E hoje ela trouxe um papo sério pra gente, bem do nosso universo: beleza. Para conhecer melhor Camilla, visite o ig @camillafalcao e o canal Camilla Falcão no YouTube.
Que a plástica virou mania nacional, todo mundo sabe. O cirurgião plástico virou o psicólogo com o bisturi na mão.
O Brasil é hoje o segundo colocado no ranking de países que mais fazem cirurgias plásticas no mundo. Só perde para os Estados Unidos. Quase todo mundo acha que pode melhorar alguma coisa no corpo. Mas a pressa por resultados está fazendo surgir os tratamentos mais descabidos, as propostas mais ousadas de resultados duvidosos.

A mulher brasileira está cedendo a um modelo estético que não é o seu. Os padrões de beleza estão se modificando, nem sempre para o bem. Na verdade, hoje existem dois tipos de padrão: o das modelos (altas e magras) e o do exagero (mulheres que querem ter, por exemplo, peitos, bunda e coxas enormes). O meio termo entre estes dois extremos é considerado fora dos padrões.

O corpo da mulher brasileira sempre foi visto como um dos mais bonitos do mundo. Não somos como as européias e as americanas. Temos curvas, quadril e bunda. Mas tudo isso foi deixado de lado por muita gente e também pela mídia. O que vale é ser jovem, magérrima, peitos grandes. Querer cuidar da aparência é uma coisa boa e saudável. Mas querer se transformar em algo que não é pode ser muito perigoso.

É daí que vem os absurdos. São pessoas que querem tanto atingir um dos padrões que exageram e acabam doentes. E temos muitos exemplos dessas doenças, como a anorexia, a bulimia e problemas causados pelo uso de anabolizantes por aquelas que querem o corpo mais exagerado. Fora as cirurgias mal realizadas, que deixam seqüelas e podem levar à morte. Será que tudo isso vale a pena em prol de um ideal que na verdade não existe?

É válido querer cuidar da aparência. Mas de forma saudável. Fazer exercícios sem exageros e se alimentar de forma equilibrada. Tratamentos estéticos também são importantes, e hoje em dia tem uma gama de opções que geram bons resultados sem ter que se submeter a uma cirurgia.

Não entre no exagero. Cuide do que você tem. Destaque suas qualidades e melhore seus “defeitos”. Se precisar apelar para alguma cirurgia plástica, seja ela estética ou reparadora, siga em frente, mas mantenha o foco. Tenha em mente que não é bonito ser uma “mulher construída”. O padrão que tem que valer é o da naturalidade.


Camilla Falcão

| Jornalista | Publicitária | Assessora de Comunicação | Blogueira | Colunista de revistas |Editora de Jornalismo da Revista do Ceará| Na Cultura | Me Diz

Renata Chiarello

Oi, eu sou Renata Chiarello mãe da B. Uma mãe que alterna loucura e equilíbrio (afinal qual mãe não é assim, né?). Uma mãe que quer desvendar e mostrar o mundo. Uma mãe que descobre todos os dias, de diferentes formas, as maravilhas e dificuldades que a maternidade traz.

Related Posts

Comentários sobre este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *