POR QUE OS BEBÊS BABAM?

Bebês que babam muito sempre causam dúvidas na cabeça dos pais.

Lembro-me de ouvir bastante de outras mães a pergunta: Betina baba muito? E curiosamente, ela não foi um bebê babão. Usei pouquíssimo babador nela, mas como percebi que era uma preocupação freqüente na cabeça das mães, resolvi abordar o assunto aqui no blog.

E claro que pra nos ajudar, uma super convidada…a querida otorrinolaringologista Dra Renata Moura Barizon. Olho no que ela nos fala sobre a baba nos bebês.

Bebês babam! Isso faz parte do desenvolvimento da criança. E dependendo da idade, o bebê ainda não apresenta uma coordenação neuromuscular adequada para engolir toda saliva produzida.

A saliva é importante para manter a cavidade oral úmida e lubrificada, ajuda a formar o bolo alimentar pastoso para facilitar a deglutição, ajuda a limpar os dentes e remove o excesso de bactérias evitando a formação de cáries.

Nos 3 primeiros meses de vida, o bebê não baba muito, principalmente se ele estiver deitado. Mas quando está no colo é mais comum escorrer a saliva pela boca.

Por volta do sexto mês, o bebê tende a babar mais quando estiver com a mão e brinquedinhos na boca ou quando estiver balbuciando. Nessa fase também pode começar a dentição e, além da baba ele pode apresentar febre baixa e irritação.

Mas à partir dos 9 meses,  o bebê só vai babar um pouco quando estiver se alimentando ou quando os dentinhos estiverem nascendo. Não é comum isso acontecer quando está engatinhando, rolando ou andando.

Se com 2 anos o bebê continuar babando é importante uma avaliação com pediatra ou com otorrinolaringologista.

No primeiro momento, precisamos avaliar a musculatura orofacial da criança, já que a flacidez dessa musculatura permite que a saliva escorra facilmente pela boca. Em alguns casos, esse quadro também pode estar relacionado com obstrução nasal. Por exemplo, as crianças que tem a chamadas “carne no nariz” (adenóides) aumentadas respiram pela boca, ficam de boca aberta, tem a musculatura da bochecha flácida e babam mais que uma criança normal.

Nos casos que não tem obstrução nasal, as crianças apresentam excelentes resultados com terapia ocupacional ou fonoterapia. Mas de qualquer maneira, a hipersalivação em uma criança neurologicamente normal cessa por volta dos 4 ou 5 anos de idade.

Nas situações que as crianças apresentam aumento das adenóides ou das adenóides e das amigdalas associados é importante avaliar a necessidade cirúrgica com otorrinolaringologista. Melhorando a respiração, a criança fechará a boca normalmente e a saliva deixará de escorrer.

Porém, ocorre que em alguns casos as crianças acima de 5 anos podem apresentar hipersalivação, independente de terem alguma doença neurológica. E nessas situações existem medicamentos e procedimentos para aliviarem o transtorno.

O mais importante é conseguir alcançar um equilíbrio entre nenhuma salivação e a boca úmida.

Em caso de dúvidas procure sempre o pediatra ou o otorrinolaringologista.

 

Renata Moura Barizon

CRM 5279702-2

Ficou com alguma dúvida? Manda pra gente!

Beijos

Renata Chiarello

 

 

 

 

Renata Chiarello

Oi, eu sou Renata Chiarello mãe da B. Uma mãe que alterna loucura e equilíbrio (afinal qual mãe não é assim, né?). Uma mãe que quer desvendar e mostrar o mundo. Uma mãe que descobre todos os dias, de diferentes formas, as maravilhas e dificuldades que a maternidade traz.

Related Posts

Comentários sobre este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *