Pai junto, pai sempre, pai pai!

Gosto de dizer que foi Deus quem escolheu o Bruno pra ser o pai da B. Com certeza eu e ela não acertaríamos tanto. Tiramos, sem dúvida, a sorte grande.

A paternidade também foi algo sonhado por ele (mesmo que discretamente) durante anos. E ainda, lembro como se fosse hoje do receio que ele teve em acreditar que finalmente recebemos o tão desejado positivo. Era tanto cuidado, tanto mimo…mas também tanta tranquilidade. Ele sempre acreditou, mesmo com uma gravidez meio tumultuada, que tudo daria certo.

Ainda com poucas semanas de gestação na cabeça dele era o Antônio que viria para nossas vidas, mas bastou a ultrassom de confirmação de sexo dizer que nosso milagre seria menina que o mundo dele encheu se de tons de rosa. Acho que naquele momento ele até esqueceu que tinha uma certa predileção por um menininho.

E desde que nossa benção chegou, eu vejo todos os dias nascer um homem melhor do que antes. Com sede de aprender, sede de cuidar e extremamente preocupado com o bem estar da nossa filha. Betina é prioridade total. Tudo na vida dele é marcado a partir das possibilidades dela.

A paternidade aqui é totalmente ativa. E por muitas vezes quem atrapalha sou eu (conversa pra outro post…kkk). Bruno já faz parte desse novo comportamento, que espero que aumente muito em outros lares, do pai que pega junto, que acolhe, que brinca, que educa, que cuida…enfim do pai que é pai.

É claro que ele tem suas limitações, assim como eu também tenho as minhas. Afinal, ele nunca foi pai antes….kkk. E muito aprendizado vem com o tempo, vem vivenciando as situações. Mas ele faz um super esforço pra dar conta de tudo…Já sabe o nome de todas as princesas da Disney, a história dos três porquinhos conta como ninguém. Ah, e já está ensaiando vários passos de ballet com ela….kkkk.

A felicidade dela está em primeiro plano e com isso nos fortalecemos como família. Percebo  que a cada dia ele se torna melhor pai, melhor marido, melhor ser humano e não tenho dúvidas de que toda essa evolução vem da paternidade.


Nesse mês de agosto (dos pais) nossa gratidão a esse papaizinho que enche nossas vidas de alegria, que inventa samba, que brinca de pique esconde, que sonha e realiza junto com a gente. Obrigada por ser tão meu parceiro, por estar comigo sempre e por dividir essa jornada encantadora que é a criação de um filho, do nosso milagre, da nossa filha.

Te amamos, papai!!!

Renata Chiarello

Oi, eu sou Renata Chiarello mãe da B. Uma mãe que alterna loucura e equilíbrio (afinal qual mãe não é assim, né?). Uma mãe que quer desvendar e mostrar o mundo. Uma mãe que descobre todos os dias, de diferentes formas, as maravilhas e dificuldades que a maternidade traz.

Related Posts

Comentários sobre este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *